Foto: Shutterstock

Ok, ser mãe não é uma tarefa nada fácil. Para as mães solo, então, pode ser uma experiência ainda mais desafiadora, mas não menos completa! Reparou que usamos o termo “mãe solo” ao invés de “mãe solteira”?Essa expressão, que vêm ganhando popularidade na web, é a forma correta para denominar mães que são as únicas ou principais responsáveis pela criança. Até porque, convenhamos: maternidade não tem nada a ver com estado civil.

Entenda porque o termo “mãe solteira” não está com nada

Como vivemos em uma sociedade predominantemente machista, alguns termos precisam ser desconstruídos pra ontem, né? E a expressão “mãe solteira” é uma delas. Levando em conta que maternidade não, necessariamente, precisa ser sinônimo de estar em um relacionamento estável, o termo “mãe solo” surge para designar aquelas mães que são as principais ou as únicas responsáveis pela criança. Essas mulheres, por qualquer motivo que seja, não podem contar com os pais na criação, e, mesmo assim, decidem encarar o desafio que é criar um filho.

Foto: Shutterstock

Além disso, “mãe solteira” carrega, ainda, outra conotação negativa: a de que falta algo. Mas, a gente sabe que não é assim. Existem muitas possibilidades de famílias incríveis e completas – pai e mãe, duas mães, dois pais, mães e pais solos, e por aí vai! -, que proporcionam uma ótima criação, cheia de amor e carinho!

Por uma maternidade real e sem frescuras

Outra aspecto legal do movimento “mãe solo” é a corrente de apoio que surgiu entre mulheres que passam pela mesma experiência. Através de plataformas online e das redes sociais, elas podem compartilhar as dificuldades e alegrias, percebendo, assim, que não estão sozinhas nessa. Afinal, não existem mães perfeitas, apenas mães possíveis. <3

Aprendeu? Trabalhe na sua reeducação diária e aposte nessa dose extra de empatia! 😉